Como arrumar a mala para uma viagem rápida

Primeiramente,estude o local de destino para entender o clima e como as pessoas costumam se vestir. A partir daí, pense na quantidade de dias e compromissos e começar a separar as peças. Não leve mais que dois ternos. Se a viagem for a negócios, é sempre bom ter um reserva, assim como uma malha para os dias frios. Para uma viagem de até quatro dias, cinco camisas são suficientes e mais duas camisetas para os momentos de folga. Para acompanhá-las nas ocasiões informais, leve ao menos um jeans. Se possível, dê preferência a peças com tecidos que não amarrotem, como as malhas frias e outros tecidos sintéticos.
Na hora de organizar tudo na mala, separe os itens da primeira camada, que são: sapatos, meias, gravatas, nécessaire e quaisquer outros que não sejam as roupas. Como o segredo é ganhar espaço, anote o truque: guarde gravatas e meias dentro dos sapatos – que deverão ser ensacados. Antes de colocar esses itens, estique as calças no fundo da mala e deixe as pernas para fora. Sobre elas, acomode os sapatos, a nécessaire e outras possíveis embalagens, organizando como num quebra cabeça. Por cima, acomode as roupas – camisetas e bermudas devem ser enroladas e encaixadas nos espaços livres. Dobre as camisas e o terno e coloque-os sobre as outras peças. Por fim, dobre as pernas da calça (que haviam ficado de fora) por cima de tudo.
bagage (1)
Imagem: Cabide Colorido

Viajando pelo Brasil: Pantanal

Pescar, fazer safári fotográfico, focagem noturna de animais e observação de aves, são alguns programas que o Pantanal proporciona aos seus visitantes. Nas cheias, de novembro a março, os mais aventureiros podem fazer as incursões em emocionantes cavalgadas dentro d’água.

No Pantanal Norte, em Mato Grosso, as cidades de Poconé, Cáceres e Barão de Melgaço fazem as honras e recebem os visitantes com hospedagens simples.

Quem escolhe pelo Pantanal Sul – sim, é melhor concentrar-se em só umas das porções pantaneiras – vai encontrar em Corumbá uma cidade estruturadas. Na divisa com a Bolívia, seu centro tem casario do século 19 bem preservado e hotéis de ecoturismo ao longo da Estrada-Parque, com 120 quilômetros de pista estreita, pontes e travessia de balsa pelo Rio Paraguai – uma aventura a ser encarada de preferência na companhia de um guia e a bordo de veículos potentes.

pantanal

foto_pantanalnascente_pantanal_luiz_fernandes_336pantanal-crocodilo-caiman-830x474_830x474